jusbrasil.com.br
19 de Agosto de 2022

Advogado correspondente: aprenda a evitar calotes

Tomaz Chaves, Advogado
Publicado por Tomaz Chaves
há 7 anos

Advogado correspondente aprenda a evitar calotes

Ser um advogado correspondente realmente traz muitas vantagens, que vão desde a possibilidade de aprender mais sobre várias áreas de atuação com os parceiros jurídicos, passando pela flexibilidade de horários na atuação até chegar à possibilidade de aumentar a renda mensal de maneira regular. Contudo, esse tipo de profissional acaba ficando à mercê de um problema bastante comum de quem trabalha por conta própria: o risco de tomar calotes.

São várias as causas que podem levar a essa situação desagradável, desde um cliente realmente desonesto até alguém que realmente ficou sem dinheiro no meio do caminho. Mas, independentemente da justificativa, o que fazer? Pois a melhor postura é se prevenir, mantendo-se atento a qualquer sinal de obstáculo à vista. Quer tal ficar por dentro de algumas boas dicas para não passar por esse transtorno na prestação de seus serviços jurídicos? Então confira:

Consulte órgãos de proteção ao crédito

A primeira atitude a ser tomada para descobrir se você está lidando com quem, por um motivou ou por outro, não arcará com os serviços contratados é examinar os documentos pessoais de quem o está contratando. Realize consultas iniciais ao registro do Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) do indivíduo ou do Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ) da empresa em questão. A seguir, faça uma consulta no SPC e no Serasa Experian, a fim de se munir com o máximo de informações possível sobre as condições de crédito do interessado em seus serviços.

Procure sempre assinar contratos

Quando um cliente não entrega o prometido a seu advogado, é possível apelar à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para intervir em seu favor, além de se poder, claro, usar as tradicionais vias administrativas e judiciais. Mas, nesses casos, se o advogado não tiver um contrato assinado, será difícil comprovar em juízo que os honorários fechados em acordos orais realmente lhe são devidos. Isso sem contar com os sucumbenciais! Faz-se necessário, portanto, criar contratos até para atos processuais e extrajudiciais mais simples. Além disso, requeira que o alvará de pagamento judicial seja expedido em seu nome, ok?

Cobre os inadimplentes imediatamente

Se você tomou todas as devidas providências, mas assim mesmo algum cliente ficou sem pagá-lo da forma adequada, não deixe passar muito tempo para realizar a cobrança. Lembre-se de que, com o passar das semanas ou dos meses, os clientes passam a relaxar quanto à questão, ficando cada vez mais difícil reaver o montante devido. Desde o instante em que o contrato é firmado, é preciso já deixar acordado com a pessoa um prazo razoável para que sua parte seja adequadamente recompensada.

Garanta-se conforme a complexidade da causa

Uma vez que os advogados de apoio definitivamente não estão isentos de trabalhar com causas de grande monta e de maiores riscos, nada impede que, dentro da negociação que for feita com os clientes, o profissional tente se resguardar com seguros, cauções e outros tipos de cobertura. Só não se esqueça de explicar tudo a seus clientes, para que não pareça um ato totalmente arbitrário e sem fundamento. Transparência é a chave.

Alongue prazos de quem você já confia

Se você tem clientes mais antigos, com os quais já estabeleceu uma relação de confiança, será cativante da sua parte oferecer prazos mais longos de pagamento para eles. Assim, esses clientes habituais provavelmente continuarão a renovar os contratos de negócios jurídicos com você, seguindo um plano de parceria constante. Porém, se você acabou de conhecer um cliente, que tal tentar ajustar uma forma de pagamento à vista? Como você ainda não sabe se ele pagará adequadamente o serviço, é melhor não parcelar ou aprazar sua remuneração, não concorda?

Agora que você sabe como se prevenir, comente aqui e nos conte se já tomou calote de algum cliente! O que fez para receber o pagamento devido? Que medidas você toma atualmente para que isso não volte a acontecer? Divida suas experiências conosco!


Fonte: http://blog.juriscorrespondente.com.br/advogado-correspondente-aprendaaevitar-calotes/

Informações relacionadas

Yago Dias de Oliveira, Advogado
Artigosano passado

A importância das testemunhas no contrato particular

Edna Mazon, Advogado
Artigoshá 2 anos

É obrigatório ter assinatura de 2 testemunhas para que um contrato tenha validade?

Edna Mazon, Advogado
Artigosano passado

Posso assinar um contrato usando assinatura digital e manual ao mesmo tempo?

Prestei um serviço e agora o cliente não quer pagar. O que faço?

Caulí Oliveira, Advogado
Artigoshá 6 meses

Dicas para evitar calote de clientes no pagamento dos honorários advocatícios

2 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Fiz uma diligencia para um cliente, pactuado via telefone. Já cobrei várias vezes e eles não cobram se mando email respondem que vão depositar , se ligo respondem que vão pagar, mas não pagam . continuar lendo

Uma minha dica para abordar e cobrar os clientes inadimplentes que uso e que dá resultados.
Eu ponho eles logo no site SPCdireto.com.br e eles recebem imediatamente um mail de cobrança ou uma proposta de acordo. O cadastro no site é gratuito e os inadimplentes entram logo em contato comigo. continuar lendo