jusbrasil.com.br
27 de Maio de 2020

Passei na OAB, e agora?

Tomaz Chaves, Advogado
Publicado por Tomaz Chaves
há 5 anos

Passei na OAB e agora

Você se dedicou muito, foi aprovado no exame da Ordem e agora precisa planejar sua carreira. Nunca foi tão desafiador exercer a profissão no Brasil e poucas carreiras exigem tanto aperfeiçoamento contínuo quanto a de advogado. Boa formação jurídica, atualizações constantes e segunda língua fluente não são diferenciais, são pré-requisitos.

Possuir metas definidas e planejar a carreira são essenciais para o recém-formado bacharel em Direito. Entre as duas linhas de atuação principais, carreira de advogado e carreira jurídica, existem diversas especializações e cabe ao bacharel dedicar-se de acordo com suas perspectivas e afinidades. O dilema “seguir carreira pública” versus “advogar” deve ser decidido entre prós e contras de cada opção.

Conheça as áreas de atuação

O Bacharel em Direito conta com um grande número de áreas passíveis de atuação, sendo que atualmente algumas estão mais promissoras e outras mais saturadas. Dentre as opções estão: Direito Civil, Penal, Trabalhista, Previdenciário, Tributário, Econômico, do Consumidor, de Propriedade Intelectual, Internacional, Empresarial, Comercial, Ambiental e Administrativo.

Essas áreas são passíveis da atuação tanto para quem opta por carreira jurídica pública quanto para quem opta por ser Advogado.

Carreira Pública: estabilidade e bons salários

Passar em um concurso público é a meta de muitos profissionais formados em Direito. Além da estabilidade do cargo, os salários são atraentes. Porém, os concursos são extremamente concorridos e é necessário muito preparo e dedicação. Existem muitos cargos neste campo de trabalho:

  • Defensor Público: presta assistência jurídica a cidadãos que não têm condições de pagar um advogado, estejam os interessados sob tutela da Defensoria Pública da União ou das Defensorias Estaduais;

  • Advogado Público: trabalha na Advocacia Geral da União, Advocacias Gerais dos Estados ou em Procuradorias Municipais, atuando na defesa de interesses da União, Estados e Municípios, respectivamente;

  • Delegado de Polícia: coordenam e chefiam a função de polícia judiciária da União, além de administrar a questão do estrangeiro no Brasil, efetuar a segurança de autoridades estrangeiras, dentre outras atribuições.

  • Magistrado: definição para Juízes de Direito, Desembargadores ou Ministros. Funcionário investido de autoridade jurisdicional, administrativa ou política que visa a defesa dos interesses dos cidadãos.

  • Promotor ou Procurador de Justiça: membros do Ministério Público, uma das carreiras mais almejadas pelos profissionais e também a mais concorrida nos concursos. Atua na defesa dos interesses da sociedade nos Ministérios Públicos Estaduais e Federal.

Docência: conhecimento e especialização

Os advogados que desejam lecionar em faculdades de Direito necessitam mais do que o título de bacharel. Por isso, esta é uma carreira que merece planejamento. A maioria das instituições exige título de Mestre ou Doutor, além de experiência profissional e aptidão para explorar ferramentas de ensino.

O estudante de Direito que almeja a carreira de professor deve esforçar-se para publicar pesquisas e artigos científicos, fazer participações em palestras, além de desenvolver a oratória. Sair da faculdade com um plano para o Mestrado, tendo feito iniciação científica na Graduação é a forma mais efetiva de ganhar tempo.

Carreira de Advogado: autonomia e reconhecimento

Muitos são os desafios de quem opta por “advogar”, mas os resultados podem ser recompensadores. Algumas das possibilidades são:

  • Ter escritório próprio: o advogado que decide atuar por conta própria em seu escritório, defendendo interesses dos seus clientes ou prestando assessoria jurídica para empresas privadas, enfrenta o risco da instabilidade que cerca o exercício da profissão de forma independente. O profissional precisa investir em um espaço físico mobiliado e alguma infraestrutura, além de fidelizar clientes, o que vai depender muito de técnicas de marketing pessoal, networking e aperfeiçoamentos. Como benefício o profissional advogado goza de mais liberdade e possibilidade de ganhos acima da carreira pública.

  • Atuar como funcionário de outro escritório: é comum que o advogado inicie a carreira logo após a aprovação no exame da OAB como funcionário de um escritório já consolidado. Neste caso, além de certa estabilidade, o profissional terá oportunidade de obter experiência em diversas áreas de atuação ou, dependendo do porte do escritório, especializar-se em uma área em que haja pouca concorrência.

  • Ser advogado correspondente: atividade com amplo campo de atuação. Consiste na prestação de serviços para advogados ou escritórios localizados em outras cidades. As atribuições do correspondente envolvem a obtenção de informações de processos, realização de audiências, oitivas de testemunhas, protocolos, prestação de assessoria jurídica, distribuição de ações, despachos junto a juízes, acompanhamentos de julgamentos, entre outros tipos de diligências. A função é largamente requisitada e pode ser conciliada com outras atividades, possibilitando um aumento considerável de ganhos para o profissional.

E você, já sabe qual carreira seguir? Compartilhe conosco nos comentários suas expectativas e planos!


Fonte: http://blog.juriscorrespondente.com.br/passei-na-oabeagora/

20 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Um combo de excelentes artigos! Parabéns! continuar lendo

Nosso mundo é dividido entre pessoas otimistas e pessimistas.
É obvio, que pessoas que colecionam insucessos não valorizam conquistas tão importantes.
Posso afirmar, que em muito, acrescentou em minha vida passar na prova da Ordem.
Claro, que tem gente que acha que simplesmente passando no exame os horizontes se abrirão, não é bem assim.
Preciso dedicação, muito esforço e qualificação contínua.
Não se deixem levar, novos colegas, por comentários do amigo Luciano Fidelis.
Como disse abaixo o colega Pedro, na advocacia, como em qualquer profissão, os melhores se sobressaem, ganha mais, quem é mais!
Sejam muito bem vindos, nossa profissão é motivo de orgulho e de muita importância.
Estudem muito, muito mesmo e os 5 mil lamentavelmente citados pelo colega, encherão os bolsos apenas dos menos dedicados.
PARABÉNS AOS RECÉM APROVADOS! continuar lendo

excelente! concordo plenamente. continuar lendo

Passou na OAB ? Parabéns !!! O que ela acrescentou na sua vida ?

Se quer advogar é mais que uma obrigação passar na OAB.

Agora se tiver sorte na vida conseguirá ganhar uns 5 mil advogando.

Boa sorte. continuar lendo

Discordo totalmente! A não ser que você seja um péssimo advogado você ganhará 5 mil advogando, agora se você for um bom advogado ganhará dentro de 5 anos na profissão por volta de 50 mil advogando!

Mas como em toda profissão temos profissionais bons, medianos e ruins.

Att. continuar lendo

O sucesso na carreira deve-se a um misto de competência, planejamento, estudo, mas também de SORTE. Ser o cara certo, na hora certa faz toda a diferença. continuar lendo

50 mil em 5 anos.

Então digamos que a cada 1 ano o salário aumenta 10 mil.

Em 5 anos acredito que és um Advogado quase Sr e já ganhando 50 mil ??

Vamos todos fazer Direito .. Em 5 anos ganharemos 50 mil....

Acredito também em lobo mal, papai noel e no Pokeyo.

50 mil.... continuar lendo

Parabéns, a quem conseguiu passar de imediato, no Exame da OAB. Este foi o meu caso. Fui uma das primeiras a passar por esta experiência.

a) Agora, pague pontualmente o "tributo" cobrado, ao qual denominam de "anuidade", sem esperar absolutamente nada a título de contraprestação. Caso contrário, mesmo que tenhas algum problema (saúde ou outros), eles não perdoam, ligam insistentemente cobrando;
b) Não esperes, também, algum auxílio vindo da CDAP - tal "Comissão de Defesa e Assistência às Prerrogativas do Advogado". Esta além de ter como membro (alguns), "amigos ou filhos de amigos", esses não conhecem ao menos, o Estatuto da OAB, menos ainda o CPC. Principalmente no que diz respeito às PRERROGATIVAS do Advogado (arts. 20 e 36, do CPC). Quer dizer, pertencer a tal comissão independe de conhecimento ‘jurídico’.
c) Não é fácil e nunca foi, fazer uma carteira de clientes. Principalmente, para quem não possui algum parente já conhecido na praça. Caso tenhas padrinho na OAB, poderás também, nela encostar-se - Serve como referência, como muitos fazem. Desde que tenhas estômago forte, sejas omisso e, não tenhas opinião própria.
d) Há também, a opção caso tenhas condições financeiras de, recorrer ao Marketing, fazendo veicular em “massa” propagandas: na Internet, em Jornais, em Rádio e TV – pois a OAB sabe e fecha os olhos. Pelo Menos no RS. Veja o exemplo de “Simon Assessoria Jurídica”, anterior “Simon & Sangiorno” que, veicula diariamente na RECORD (Balanço Geral).
e) Por último, se és funcionário público e, tens remuneração razoável, entre 7 a R$ 10.000,00, NÃO abdiques. É melhor ficar ou conciliar o CERTO, do que aventurar-se pelo INCERTO. Justamente esta foi a minha opção.
Um abraço. continuar lendo